Wiki-Week » Homem-Aranha: Origens - Criando Heróis

Últimas Notícias

Wiki-Week » Homem-Aranha: Origens



O ano era 1962 quando o herói, que saiu das mentes criativas de Stan Lee, Steve Ditko e Jack Kirby, sendo os dois primeiros os verdadeiros creditados pelo projeto, apareceu pela primeira vez na Amazing Fantasy 15º, tornou-se uma referência entre os heróis e é, ainda hoje, um dos títulos mais populares da Marvel Comics.

Mais de 50 anos após sua primeira aparição, o herói passou por diversos escritores, ilustradores e versões. Entre as citadas abaixo e muitas outras, deixarei uma menção honrosa ao nosso querido Spider-Ham, ou Peter Porker e à versão zumbi do cabeça-de-teia que poderemos falar em uma outra oportunidade.

I. A Criação


Existia, e de fato ainda existem alguns pontos na criação do Homem-Aranha que permanecem obscuros. Quando falamos sobre o assunto, três nomes nos vêm à cabeça: Stan Lee, Jack Kirby e Steve Ditko. Contudo, a participação de cada um na obra é um pouco confusa.

Tudo começou em agosto de 1962, com Stanley Martin Lieber, nosso querido tio Stan Lee, o então editor-chefe da Marvel Comics.

O Homem-Aranha de Kirby
Stan, utilizava o seguinte método na criação de seus personagens: ele montava uma ou duas folhas com a base do herói e enviava ao ilustrador. Este, desenhava todas as páginas e mandava de volta para Lee que então lançava os diálogos.

O ilustrador em questão era Jacob Kurtzberg, mais conhecido como Jack Kirby. Kirby, era o especialista em super-heróis na época e recebeu a tarefa de dar forma ao Amigão da Vizinhança. Porém, mesmo participando desta primeira etapa, ele nunca chegou a ser o desenhista regular do Aranha.

O que nos leva ao terceiro nome da lista, Stephen J. Ditko, vulgo Steve Ditko. Steve era conhecido por seus trabalhos mais voltados ao mistério e ao suspense na Marvel e acabou sendo o primeiro e mais importante desenhista do Homem-Aranha.

O motivo? Bom, o Peter de Jack Kirby acabou por parecer fisicamente, ao menos nas palavras de Stan Lee, muito mais um Capitão América do que o herói adolescente que ele queria.

De fato, este foi um momento crucial não só para o nosso herói, como também para a Marvel, pois ao insistir em algo menos “Capitão América” e mais “adolescente”, Stan Lee acabou por moldar um personagem com problemas reais e com quem todos os leitores se identificariam.

O Homem-Aranha de Ditko
Do personagem idealizado por Kirby restou muito pouco. O herói seria criado por seus tios idosos e pasmem, seria vizinho de uma espécie de cientista louco que entendemos se tratar da origem dos seus super-poderes! Além disso, ele seria um garoto comum que ganharia poderes e o corpo de um ser humano adulto graças à um anel mágico e contaria com uma arma de teia em sua cintura. Talvez tenha sido melhor do jeito que está.

Ditko ignorou tudo e criou o uniforme e origem que conhecemos hoje. O mais irônico, é que Ditko desenhou a capa para a revista e foi rejeitada por Lee, que pediu para Kirby redesenhar.

Após sua primeira aparição, a revista de mistérios e suspense, Amazing Adult Fantasy foi cancelada em sua 15º edição. Entretanto, o estrago estava feito e o Homem-Aranha voltaria com tudo em The Amazing Spider-Man 1º.

Desta história, podemos dizer que Stan Lee montou a base do personagem, Steve Ditko criou o visual e Jack Kirby, apesar de ter criado diversos outros heróis, possui apenas uma pequena parcela na participação da origem do aracnídeo.

II. Homem-Aranha Clássico


Seu nome é Peter Benjamin Parker, e ao perder os pais muito cedo, foi morar com seus tios no Queens, em Nova Iorque. O garoto era muito tímido, o que não o ajudou muito com amigos ou uma namorada, porém ele era um gênio!

Peter descobrindo seus poderes
Aos quinze anos, durante uma demonstração de instrumentos que manipulavam radiação, Peter foi picado por uma aranha cujo veneno seria inofensivo ao ser humano, mas o fato dela ter sido exposta à radioatividade dos equipamentos, fez com que o garoto passasse por incríveis mutações!

Super força, enorme agilidade, velocidade e resistência, bem como a habilidade de escalar paredes e uma espécie de “sentido aranha” que o alerta do perigo. Ao ser quase atropelado por um carro, Peter instintivamente salta e se fixa na parede de um prédio. Assustado, o jovem escala o edifício e amassa
uma chaminé como se fosse papel.

Empolgado com a descoberta de suas novas habilidades, Parker só pensa em uma única coisa: ganhar dinheiro. Com isso em mente, o garoto começou a participar de um circuito de luta livre e, posteriormente se tornou uma atração televisiva.

Esta etapa na vida do herói é de extrema importância, pois é aqui que são definidas suas atitudes. É neste momento que Peter, por pensamentos individualistas, não se esforça para impedir a fuga de um ladrão. Ladrão este, que iria matar seu tio Ben. Ao descobrir que seu tio foi morto pelo mesmo homem que ele deixou escapar, se vê tomado por um sentimento de culpa e que o traz uma lição que jamais seria esquecida, “com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades”.

A partir daí, Peter passa a utilizar seus poderes para combater o crime, criando seu próprio uniforme e tornando-se o Espetacular Homem-Aranha!

III. Homem-Aranha Ultimate


Um personagem com mais de 50 anos sofre basicamente de um problema: como um novo leitor poderia começar a ler suas histórias que começam na década de 1960? Em meio a dois grandes sucessos de bilheteria como X-Men (lançado em 2000) e Homem-Aranha (lançado em 2002), uma nova leva de fãs surgiram ávidos por quadrinhos de seus heróis. Foi então que, na virada do século, a Marvel decidiu criar a linha Ultimate.

Peter e Ben Parker
Um universo inteiramente novo que apresenta os heróis clássicos iniciando suas carreiras heroicas no século 21. A ideia, que partiu do editor Bill Jemas, não foi vista com bons olhos por Joe Quesada, dizendo que já havia uma tentativa de recontar os primeiros dias do herói e que não tinha dado muito
certo. A série em questão é a Homem-Aranha: Gênese, escrita e desenhada por John Byrne.

Porém, a ideia acabou sendo aprovada e em outubro de 2000 chegou às revistarias estadunidenses a Ultimate Spider-Man 1º. Com roteiro de Brian Michael Bendis e desenhos de Mark Bagley. A revista com o primeiro arco de histórias chamado “Poder e Responsabilidade” possui sete partes que contariam, ou melhor, recontariam a origem de Peter Parker nos quadrinhos.

O que na primeira vez levou 11 páginas para ser feito, agora foram 180! A escolha de estender a origem do Homem-Aranha mostrou-se bastante acertada, pois agora a coisa toda fluiria mais naturalmente e poderíamos ver os personagens e suas relações se desenvolverem melhor. Falando na trama, vamos a ela!

Mais uma vez, temos o nosso tímido, porém brilhante Peter Parker, órfão que mora com os tios, agora não tão idosos, no Queens em Nova Iorque.

Tudo começa em uma excursão escolar - adivinha onde? - na Oscorp, empresa cujo dono é nada mais nada menos do que Norman Osborn, o pai do melhor amigo do Peter, também conhecido como seu maior inimigo, o Duende Verde.

Peter e Mary Jane
Neste passeio, Peter é picado por uma aranha geneticamente alterada pela droga Oz e após desmaios e espasmos, ele recebe todos os dons de sua versão clássica. Entretanto, esses novos poderes são incontroláveis a princípio e entre uma mesa destruída e outra, nosso herói acaba quebrando a mão do valentão Flash Thompson.

Se lembram da parte século 21 da coisa? Então, os seus tios são processados e para conseguir dinheiro, Peter começa a trabalhar secretamente em um circuito de luta livre. Lá, ele ganhou seu uniforme e seu nome: Homem-Aranha.

Tudo estava indo bem até que ele é obrigado a deixar o trabalho após ser acusado de roubo. Irritado, Peter deixa um ladrão escapar. Ao chegar em casa, precisa confrontar seus tios a respeito de suas notas estarem diminuindo. Seu tio Ben diz que “com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades” e o lembra de seu pai. Porém, o jovem não compreende e sai de casa apenas para voltar e descobrir que seu tio foi morto pelo mesmo ladrão que deixou escapar mais cedo.

Percebem isso? As curvas de aprendizado nos dois universos são muito próximas. O tio Ben precisa morrer para ensinar ao jovem Peter sua mais importante lição. Peter Parker então passa a usar seus espantosos poderes para ajudar as pessoas sob a identidade do Homem-Aranha!

IV. Homem-Aranha 2099


O universo Ultimate da Marvel Comics pode ter sido um dos mais recentes e ousados planos da editora para revitalizar seus personagens, mas está longe de ser o único ou sequer o primeiro dos universos.

Homem-Aranha 2099
Em 1992, Peter David e Rick Leonardi trouxeram para os leitores uma versão distópica e cyberpunk do futuro do universo Marvel, chamado de Marvel 2099. Um dos primeiros a receber sua versão deste universo mais uma vez foi o nosso cabeça-de-teia, em Homem-Aranha 2099!

Desta vez, não temos um Peter Parker ou qualquer drama adolescente. Miguel O’Hara é o nosso novo herói aracnídeo. Já adulto, O’Hara trabalhava como chefe de um projeto para o aprimoramento genético da Alchemax, inspirado no Homem-Aranha original.

Após presenciar o teste deste experimento falhar em um condenado, causando sua morte, Miguel procura se desligar da companhia. Porém, ao ser enganado pelo magnata Tyler Stone, foi contaminado com um alucinógeno chamado Êxtase, que ao ser ingerida torna o usuário tão dependente dela quanto de oxigênio.

Não tendo outra escolha, ele precisou voltar a trabalhar na Alchemax. No entando, O’Hara tinha um plano: como havia utilizado seu código genético nos experimentos, decidiu fazer uso do material para modificar e recombinar sua estrutura molecular e assim livrar-se da dependência do Êxtase. Teria funcionado, senão fosse seu superior, Aaron, misturar a programação de O’Hara nos códigos do Projeto Aranha.

Desta vez, temos uma diferença em suas habilidades. Sua força e agilidade são as mesmas, porém Miguel possui garras retráteis que brotam de suas mãos e pés, uma visão mais aguçada, capacidade de envenenar além de teias orgânicas, diferente do Peter que utilizava fluido de teia, que era produzido separadamente e liberado a partir do lançador de teia.

O veneno de Miguel em ação
Se de um lado tivemos Peter usando seus dons para conseguir dinheiro, do outro temos O’Hara lutando pela sobrevivência contra o ciborgue Risco em seu traje de moléculas instáveis azul com uma caveira aracnídea vermelha estampada.

Apesar de bem sucedido, Miguel não queria ser um herói. Na verdade, ele queria se livrar o quanto antes destas habilidades. É então que somos apresentados ao seu irmão, Gabriel O’Hara, que tinha um gosto peculiar para garotas e Kasey, a namorada terrorista de Gabriel capturada pela Alchemax.

Gabriel pede a ajuda de Miguel que, para resgatá-la enfrenta um samurai da Stark-Fujikawa e os oficiais do Olho Público. Depois de cair no misterioso submundo, o Aranha precisa ainda enfrentar um Abutre canibal.

Vitorioso, o Homem-Aranha 2099 começava a entender sua importância naquele mundo. De volta a cidade alta, percebe que seus atos estão contagiando as pessoas, que passam a se vestir e se chamar de aracnitas. Ao rever sua mãe no asilo Lar Vale Feliz, relembra a relação complicada com o pai e vê o quanto ela admira o Aranha. Um novo herói nasce.

V. Homem-Aranha Noir


O Homem-Aranha 2099
Criado por David Hine, ilustrada por Carmine Di Giandomenico e lançada em 2009, está é a versão Noir do Homem-Aranha que faz parte do Universo-90214 (Noir).

Tudo começa em 1933, quatro anos após a quebra da bolsa de valores em Nova Iorque. A pobreza se espalhou e a vida do cidadão comum nunca foi tão fácil de se manipular.

Peter Parker - sim, é ele novamente! - vivia com seus tios Ben e May, um casal que lutava firmemente contra a opressão ao povo. Seu tio, foi assassinado e dilacerado por cães por, ao que tudo
indica, ordem do chefão do crime, o Duende.

Peter é contratado como assistente do repórter Ben Urich para ajudar no caso do Duende. Ben leva Peter à boate Gata Negra onde a dona, Felícia Hardy revela as tramas do submundo e da corrupção que está infectando Nova Iorque. Logo em seguida, Norman Osborn, conhecido como o Duende, aparece na boate com seus capangas: os Executores, Kraven e Abutre, e cumprimenta Peter lembrando-o a morte de seu tio. Peter então agride Osborn.

Vamos fazer uma pausa aqui e analisar. Ao contrário de todas as outras versões do Aranha, aqui
nosso herói age puramente por ódio e isso não muda após sua transformação.

Sobre a morte de Ben Parker
Depois do ocorrido, Peter vai ao apartamento de Urich apenas para encontrá-lo desacordado após o que parecia ter sido uma overdose; até então o jovem não havia desconfiado do vício do amigo. O telefone toca e do outro lado fala um informante de Urich, indicando que os capangas do Duende irão receber um lote de antiguidades. Com Urich inconsciente, Parker decide ir por conta própria ao depósito.

Uma das antiguidades é derrubada e dela saem muitas aranhas místicas que devoram um dos Executores, Danny Ponposo. Sem que Peter perceba, uma aranha se aproxima e pica sua mão. Peter, desmaia e sonha com uma divindade aracnídea que concede poderes sobre- humanos à ele.

Super força, agilidade, teias orgânicas e o sentido aranha estão de volta e mais uma vez, o diferencial desta origem é o que Peter decide fazer com seus poderes. Sem responsabilidades ou sobrevivência, aqui o Homem-Aranha age apenas por vingança!

VI. Homem-Aranha: Dinastia M


Para fechar nosso bloco, vamos falar da minissérie lançada em 2006 pela Marvel, a Dinastia M (no original, House Of M). Escrita por Brian Michael Bendis e com artes de Olivier Coipel, a Dinastia M, ocorre logo após os eventos de “Planeta X” e “Vingadores: A Queda” onde a Feiticeira Escarlate, filha do mutante Magneto, acaba matando o Homem-Formiga, o Gavião Arqueiro, o Visão e ferindo física ou emocionalmente outros heróis.

O Homem-Aranha Dinastia M
Apesar de fazer parte da cronologia do universo 616, temos em Dinastia M, uma versão muito diferente de Peter Parker.

Os Vingadores e os X-men decidem ter uma espécie de conversa com a agora insana Feiticeira Escarlate. Instantes depois de chegarem em Genosha, o professor Charles Xavier desaparece da vista de todos e, ao procurarem por ele, uma luz branca muito forte envolve todos os heróis.

Peter Parker acorda muito confuso, com seu filho chorando e sua esposa, Gwen Stacy pedindo para cuidar do menino. Exatamente, a Feiticeira Escarlate modificou todo o mundo e alterou assim a vida de muitos heróis! Peter agora era casado com Gwen e juntos, tiveram um menino. Quer saber do que mais? O tio Ben estava vivo!

Neste novo mundo, Magneto comanda a todos em Genosha, os mutantes são a maioria e os humanos são vítimas de perseguição e preconceito. A identidade secreta do Homem-Aranha não é mais tão secreta assim, visto que Peter é um dos heróis mais famosos do mundo, tendo J. Jonah Jamenson como seu assessor puxa-saco que é constantemente humilhado em público.

Gwen e seu filho com Peter
Só que nem tudo são flores na vida do cabeça-de-teia (e alguma vez já foi?) e para ser tão bem aceito por todos, Peter finge ser um mutante também. Seus inimigos, Norman Osborn e J. Jonah Jameson sabiam de seu segredo e arrumam uma maneira de expor para todos. Isso levantou a ira da população que queria a morte do Homem-Aranha. Por sorte tudo foi esclarecido e voltou ao seu “normal”, até que...

Ao ser tocado por Layla Miller, uma das poucas pessoas que sabiam que aquela realidade não era certa, Peter recobra toda a memória sobre sua “vida normal” e acaba perdendo novamente duas pessoas muito amadas e um filho que nunca poderia ser enterrado, pois de fato não existiu. Esta é sem dúvida uma das mais tocantes passagens na vida do Homem-Aranha que jura matar a Feiticeira Escarlate.

E, aí? Conheciam todas essas versões do Homem-Aranha? Faltou alguma ou esquecemos de citar alguma coisa? Deixem seus comentários abaixo!

Criando Heróis desenvolvido por Templateism.com copyright © 2014

Tecnologia do Blogger.